segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Livro: "A estranha história da pequena Alice" #2

Capitulo 2

  Um ano se passou, e a amizade continuou. Alice estava caminhando de volta para casa depois da aula, quando escutou alguém chamar por seu nome.

 - Alice, espera!

  Ali se virou, era Elizabeth a chamando, e logo atrás dela estava John, eles estavam tentando caminhar o mais rápido possível sobre a grossa camada de neve que tomava o chão, os cabelos loiros de Beth estavam congelados e grudados em sua pele que parecia mais branca que a própria neve, enquanto John tinha em sua cabeça uma touca que caia para trás cobrindo seus cabelos pretos e ondulados. Alice andou para perto deles para tentar ajuda-los a andar, pois, mesmo sendo a baixa, ainda era mais forte que eles.

 - O que vocês estão fazendo aqui? - Ali perguntou.

 - Estamos indo para casa, tomar uma sopa quente. - Beth respondeu sorrindo.

 - Mas a casa de vocês é na rua ao lado, essa é a rua da minha casa. - Ali disse confusa.

- Sua casa, nossa casa. - John disse rindo.

  Todos eles deram muitas risadas no caminho e então foram para a casa de Ali, uma casa simples porem grande, tinha uma cara de "cassa de filme de terror", que era como os amigos de Ali costumavam chamar, a frente era pintada com uma tinta cinza descascada e dentro era um branco, que na verdade já nem parecia mais branco por causa do tempo, o piso e as escadas eram de madeira. O único lugar da casa que era menos assustador, era o quarto de Ali e Vic, o quarto delas era com carpete cinza claro e as paredes cheias de colagens e coisas que elas gostavam.
  
  Logo que chegaram, tiraram as roupas molhadas de neve e foram para a cozinha onde Carol estava no telefone, Ali abriu a geladeira e pegou uma panela de sopa que estava la e colocou-a no fogão para esquentar. Carol parecia animada e preocupada ao falar no telefone, oque deixou Ali curiosa para saber com quem ela estava falando, então logo que ela desligou, não hesitou em perguntar.

 - Mamãe, com quem a senhora estava falando?

 - Bom filha, eu ia deixar para contar quando seu pai estivesse em casa, mas já que não sabemos quando isso vai acontecer...

 - Fala logo Mamãe, eu estou curiosa. - Ali a interrompeu.

 - Ok. Eu fui chamada para uma entrevista de emprego amanhã.

  Ali ficou um tempo parada olhando para sua mãe, não sabia que reação ter.

 - E você vai? - Perguntou um pouco confusa.

 - Sim filha, eu tenho que i. - Carol respondeu um pouco surpresa.

 - Mas, se você trabalhar, quem vai cuidar da Victoria e de mim? - fez uma pausa. - Quem vai conversar comigo para perguntar como foi meu dia de aula? - Ali disse alto, inconformada. 

 - Ali, sei que é difícil, mas imagina tudo que poderemos fazer se eu começar a trabalhar, e ter meu salário. Você já cuida da sua irmã e faz as coisas aqui em casa, isso não mudaria em nada, já sabe até fazer sua própria comida. - disse apontando para o pote de sopa que eles estavam tomando. - Em relação a não ter com quem conversar, você tem seus amigos, e eu não vou demorar para voltar, quando você menos esperar já estarei aqui.

  Alice ficou triste e achou um absurdo sua mãe deixar que ela cuidasse de tudo sozinha, afinal, não importava que ela sabia fazer tudo aquilo, ela tinha apenas onze anos.

 - E outra, você está sofrendo por antecipação, eu não sei nem se vou passar ainda.

  Ali terminou sua sopa e seus amigos também, então para finalizar a conversa disse:

 -  Então vou torcer para que não passe. - disse furiosa.

  Pegou sua mochila e subiu para seu quarto acompanhada de Beth e John.

 - Eu não acredito, como ela pode fazer isso? - Ali disse para seus amigos quase chorando de nervoso. - Eu tenho apenas onze anos, como pode deixar que eu fique sozinha em casa limpando, cozinhando e ainda cuidando de um bebê?! Eu poderia matar minha irmã. - disse ironicamente.

  Beth e John deram com os ombros sem saber oque falar, eles não tinham o raciocínio tão rápido quanto o de Ali. Mas fizeram uma cara de espanto olhando para trás de Ali, onde ficava a cama de Victoria.

  Ali se virou para trás e lá estava ela, sentada olhando para Alice, com os olhos cheios de lágrimas, o que fez Ali sentir uma dor imensa em seu peito.

 - Desculpa Vic. - Ali disse enquanto pegava Vic no colo dando um abraço de arrependimento. - Eu estava nervosa, não queria ter te assustado, me perdoa.

  Vic a olhou bem no fundo dos olhos como sempre fazia e lhe deu um abraço de consolo.

 -Esta tudo bem. - disse com sua voz meiga e doce de bebê que ainda tinha aos seus seis anos.

  Ali lhe deu um beijo na testa e a colocou no chão. Quando olhou para Beth, ela estava sorrindo meigamente por conta da cena que viu.

 - Não se acostuma não, que em você eu dou logo uns tapas. - Ali disse para Beth.

  Eles gargalharam e se sentaram no chão para fazer oque mais gostavam, jogar vídeo game. Enquanto jogavam, Vic brincava com suas bonecas ao lado de sua irmã. Como estavam se divertindo muito, Ali perguntou se eles não poderiam dormir lá, como sempre faziam. Eles disseram que só precisavam perguntar para seus pais.

  Alice desceu para pedir a sua mãe se eles podiam ficar, quando a encontrou sentada em uma cadeira, pálida como um fantasma, segurando uma de suas mãos com muita força.

 - Mamãe o que aconteceu? - Ali disse enquanto descia a escada correndo.

 - Um caco de vidro cortou minha mão, e você sabe como sou fraca para essas coisas, mas eu quis olhar, e acabei passando mau. - Carol respondeu.

 - Solte sua mão, deixa eu ver como está. - Ali disse tirando a mão da mãe de cima do corte.

  A única pessoa que tinha coragem de olhar essas coisas era Alice, ela não tinha aflição de nada, e sempre cuidava dos ferimentos de todos, inclusive os dela. Quando viu o corte, procurou saber se tinha sido muito profundo e ver se não tinha sobrado nenhum caco de vidro no corte, mas para infelicidade de Carolyne, havia um pequeno caco de vidro dentro do machucado, e o corte era bem grande um pouco profundo.

 - Mamãe, a gente vai precisar te levar para o hospital, tem um caco de vidro ai dentro ainda, e você vai ter que levar pontos. - Ali informou sua mãe.

 - Não Alice, não temos como ir ao hospital, esta nevando e estamos sem sinal de celular para ligar para a emergência. - Carolyne respondeu quase chorando.

 - Você não pode ficar com o corte aberto assim, e esse caco de vidro pode se movimentar e ir para um outro lugar e infeccionar. - Alice disse assustada.

 - Então você vai ter que fazer algo, nós temos um kit de primeiro socorros no armário, lá dentro tem agulha e linha, e coisas para esterilizar oque for usar, e pode usar a pinça para tirar o caco. - Carol disse sem muito folego por conta da dor. - Você terá que ser forte filha, faria isso?

 - Você quer que eu faça o trabalho de um médico profissional? E se eu fizer algo errado? E a dor? Você não vai aguentar. - Alice disse inconformada com que sua mãe estava lhe pedindo, olhava para ela como se estivesse delirando.

 - Eu não quero que faça isso se não for aguentar, mas sei que você fara direito. - Carol respondeu sem folego. - Afinal, você já fez coisas piores.

  Ali consentiu com a cabeça e foi pegar os materiais que usaria, pegou luvas no armário ao lado do kit de primeiros socorros e uma toalha na gaveta. Colocou a anestesia na injeção e aplicou em volta do corte, pegou a pinça e cuidadosamente foi tentando pegar o caco de vidro,, depois que conseguiu, ela cuidadosamente foi dando pontos até que o corte estivesse fechado. Depois de fechar o corte, ela pegou um pedaço de gaze e colocou com um esparadrapo em cima do machucado.

  E então se levantou, enxugou o suor e avisou sua mãe que tinha acabado. Carol se virou assustada e olhou para a mão.

 - Mas se passaram apenas sete minutos, como pode já ter feito tudo isso? - Carol disse assustada olhando para filha.

 - Foi simples, não estava tão difícil de tirar o caco, e depois eu só fechei o corte, não tinha motivo para que demorasse. - Ali respondeu como se não fosse nada de mais.

  Carol continuou olhando para sua mão com olhar de espanto. Mas então disse:

 - Você ia perguntar algo quando desceu?

 - Ah, sim. Eu ia te perguntar se Beth e John podem dormir aqui hoje.

 - Sim, claro. - Carol respondeu atordoada. 

  Quando Alice se virou para ir em direção a escada viu que Beth e John estavam sentados nela, olhando para as duas.

 - A quanto tempo estão ai? - Ali disse desconfiada.

 - Tempo o suficiente para assistir toda a cirurgia e ouvir que podemos ficar. - John respondeu sorrindo.

 - Como consegue fazer essas coisas Ali? Eu quase desmaiei só de olhar você fazendo, e quando colocou a pinça então? Nossa! - Beth disse assustada com a frieza de Ali.

 - Eu já me acostumei. - respondeu. - Então, conseguiram falar com os pais de vocês? - Ali peguntou mudando de assunto.

 - Sim, eles deixaram. - John respondeu.

  Alice olhou desconfiada para a mãe dela e disse:

 - Engraçado, achei que estivéssemos sem sinal por causa da neve.

  Carolyne a olhou com um sorriso sem jeito.

 - Poise, achei que estávamos. - respondeu para Ali.

  Alice ficou desconfiada, mas resolveu não dar muita atenção. Subiu as escadas com seus amigos para seu quarto, ao chegar no quarto viram que Vic havia mexido em tudo derrubou o vídeo game, os controles e bagunçou tudo.

  Ao ver o vídeo game caído os três fizeram uma cara de espanto, Beth e John estavam com medo de ele ter quebrado, mas Alice estava com medo de Vic ter se machucado, e preocupada em encontrá-la. 

 - Victoria? - Alice gritou preocupada. - Onde você está?

 Então ela lembrou que a porta do quarto estava aberta, e na hora já veio em sua mente que ela podia cair da escada, seu corpo se arrepiou por inteiro. Ela saiu correndo e entro uno quarto de sua mãe, as luzes estavam apagadas, o quarto não era muito grande, um cama no centro com uma porta de vidro ao lado que dava para uma varanda, em frente a cama a porta para um banheiro pequeno e do outro lado a porta onde estava Alice assustada. Ela entrou e acendeu as luzes, então escutou a risada de Vic, lhe dando um pouco de alivio, mas a risada veio da varanda, o que fez com que aquele sentimento de alivio fosse embora. Ali correu para a porta da varanda e viu Vic se pendurando e balançando a rede que protegia que ela caísse de la, e havia um buraco feito por seu cachorro onde Victoria poderia ter passado perfeitamente. Ali já com a garganta doendo segurando o choro correu, pegou sua irmã e a abraçou forte, deixando que uma lágrima escapasse de seus olhos.

  Voltou para o quarto com a irmã  no colo que estava assustada com a situação, colocou-a em sua cama e sentou-se na sua aliviada, soltando um suspiro baixo.

 - Está tudo bem Ali? - John perguntou, enquanto recolhia as coisas no chão.

 - Sim, ela estava na varanda. - Alice respondeu ofegante. - Meu Deus, ela poderia ter caído, ia ser minha culpa. - Deixou escapar pensando alto.

 - Calma Ali, você não tem culpa de nada. - Beth disse fando-lhe carinho nas costas.

  Como Alice não era o tipo de pessoa carinhosa, apenas sorriu para a amiga e se levanto para ajudar John a recolher oque havia caído no chão. Para alegria deles nada tinha parado de funcionar.

  Depois de jogarem muito, decidiram ver uma série que eles gostavam muito, chamada "Os últimos sobrenaturais", que contava a história de uma menina que descobria que tinha poderes sobrenaturais e seus amigos também e eles tinham que resolver uma guerra. Eles amavam esse tipo de coisa, então ficaram até quase amanhecer assistindo em episódio em seguida do outro, já que no dia seguinte não teriam aula por causa do acumulo de neve.
  
  Então Alice foi acordada de manhã por um beijo úmido na testa, ela abriu os olhos e era seu pai, não pode conter a alegria então o agarrou em um enorme abraço de saudades. Sam riu da alegria da filha, mas ele estava com muita saudade também, então o abraço foi reciproco. 
  
 - Porque não disse que ia voltar hoje? - Ali questionou sonolenta.

 - Eu quis fazer surpresa pequena. - Disse sorrindo. - Feliz Aniversário.

  Ali arregalou os olhos confusa, ela havia se esquecido do próprio aniversário, pois estava acostumada a quase nunca comemora-lo.

 - Eu não acredito, vai me dizer que esqueceu seu aniversário? - Sam disse rindo.

 - Esqueci mesmo, me diverti tanto ontem com Beth e John que nem me lembrei. - disse sorrindo. - Tem certeza que e...

  Ali interrompeu o que estava falando por causa da cara de Sam, ele estava a olhando confuso, como se ele tivesse dito algo absurdo, sem sentido.

 - Porque esta me olhando assim papai? - Alice perguntou confusa.

 - É que eu juro que escutei você dizendo que Beth e John estavam aqui ontem. - Sam respondeu.

 - Mas foi exatamente oque eu disse. - Alice riu discretamente. - apontou para o lado de sua cama, mas foi interrompida pelo que viu, ou melhor, pelo que ela não estava vendo.

  Quando Ali olhou na direção que disse, ela viu apenas uma imensidão de nada, não havia ninguém ali.

 - Onde eles estão papai? - perguntou muito assustada e se levantando. Para onde eles foram?

  Sam continuava lhe olhando sem entender nada.

 - Filha, eu não estou entendendo. - Sam disse tentando a acalmar. - John não vem aqui a mais de um ano e Beth faleceu naquele acidente carro voltando da nossa casa. - Sam parecia mais assustado que Alice.

 - Isso é algum tipo de brincadeira sem graça de aniversário? - Ali disse quase gritando, nervosa, sem compreender do que o pai dela  estava falando. - Ele estavam aqui ontem mesmo, pode perguntar para a mamãe.

 - Filha, você deve estar apenas assustada, desculpe, mas essa é toda a verdade. - Sam disse tentando acalma-la. - Vou pegar um copo de água.

 - Ok. - Ali disse atordoada.

  Ela se levantou andando em círculos pelo quarto tentando colocar sua mente no lugar, mas tinha certeza de que eles estavam la no dia anterior. Quando abriu a porta ela ouviu uma voz atrás dela dizendo:

 - Ali, você esta bem?

  Quando Alice se virou para ver quem era, viu uma menina linda, de pele morena olhando-a preocupada, mas não poderia ser Victória, como seria ela daquele tamanho se no outro dia ela era tão pequena?

 - Victoria? - Alice olhou assustada, andando para trás até cair de novo na sua cama. - Meu Deus, o que esta acontecendo? 



                   Continua....       
- Maça.