segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Livro: "A estranha história da pequena Alice" #3

Capitulo 3

  Sem entender o que estava acontecendo, Alice se encolhe abraçando seus  joelhos, começa a chorar e tentar entender como tudo tudo aquilo teria acontecido, sente as mãos de alguém tocando em seus cabelos e levanta os olhos para ver, torcendo para que tudo tivesse voltado ao normal, que aquilo fosse apenas um pesadelo. Mas ao olhar viu que era Victoria ainda, grande do mesmo jeito a olhando assustada.

  - Por que você esta chorando Ali? - Victoria pergunta preocupada.
  
  - Por que você esta grande demais, e até ontem você era tão pequena. - Ali responde chorando.

  - Ah! Mas não fica triste assim, você diz que estou crescendo rápido desde o ano passado. - Vic diz rindo, tentando acalmar sua irmã.

  - Não Victória, você não esta entendendo. - Tentou explicar. - Você estava pequena de verdade ontem, mas quando acordei hoje você estava desse tamanho. E tem mais também... - foi interrompida por Victoria.

 - Tudo bem, olha, o que acha de descermos para tomar o café da manhã, ai você se acalma e explica para todos o que esta acontecendo? - Vic perguntou, de uma forma que de certo modo lhe fez parecer madura, o que só deixou Ali mais assustada.

 - Certo, vou tentar. - respondeu.

  Então as duas desceram as escadas e foram para a cozinha de sua casa, ela continuava igual. - pelo menos a cozinha não mudou. - pensou Alice. Era uma cozinha típica americana, com as paredes brancas e piso cinza claro.

 - Bom dia princesas, dormiram bem? - Carol disse olhando fixamente para Ali.

 - Se dormir bem, for você ir dormir em um ano e acordar em outro, sim. - Ali disse ironicamente, porem irritada.

 - Como assim filha? - disse Carol.

  Alice percebeu um certo clima de tensão quando ela disse aquilo.

 - Suponho que papai já deve ter te contado. - Ali disse enquanto bebia seu café.

  Carol olhou para Sam com expressão de duvida, já respondendo que ele não havia lhe dito nada.

 - Bom, pelo jeito ele não falou. - Ali respondeu ela mesma, bufando. - Então vou explicar pela ultima vez, mas eu quero que prestem atenção. Certo?

 - Certo. - todos disseram.

  Ali engoliu a torrada com geleia de frutas vermelhas que estava em sua mão, recuperou o folego, e então começou a explicar tudo, mais uma vez.

 - Ontem eu estava em casa com meus amigos, Beth e John jogando vídeo game, e quando desci as escadas mamãe havia se cortado, ajudei ela com o curativo e então pedi para que meus colegas dormissem em casa, mamãe deixou, e quando subi as escadas Victória que ainda era pequena, tinha sumido. - Ali fez uma pausa para respirar, enquanto todos a olhavam atentos. - Procurei ela e a encontrei pendurada n rede da varanda, voltei para o quarto e continuei brincando com meus amigos, nós fomos dormir muito tarde. Mas então de manhã fui acordada pelo papai me desejando feliz aniversário, e por um comentário que eu fiz, ele me disse que meus amigos não vem em casa a um ano, até porque Beth havia morrido em uma acidente de carro, e a Victoria apareceu grande assim na minha frente. - Ali já estava chorando. - Agora, será que tem como alguém me explicar, como posso ter dormido ontem, e quando digo ontem, quero dizer realmente ontem, com meus amigos aqui em casa e acordar hoje com tudo isso tendo acontecido no ano passado? - Ali acabou e caiu em um choro profundo que a fazia soluçar. 

  Carol rapidamente a abraçou acariciando suas costas.

 - Calma filha, nós acreditamos em você, e vamos dar um jeito de concertar tudo isso. - Sam disse pegando a mão da filha. - Nós nunca vamos te abandonar.

 - Acho que se chamássemos John para vir conversar com você, se sentiria melhor e ele poderia te explicar o que aconteceu nesse tempo. - Carol propôs.

  Ali concordou e tentou para de chorar. Sam ligou para a casa de John mas ninguém atendeu, então acharam melhor deixar para mais tarde.

  Como era aniversário de treze anos da Ali, já que ela não se lembrava do seu de doze, Sam comprou um bolo lindo de dois andares, cobertos com pasta americana preta e desenhos de notas musicais. Eles cantaram parabéns e Ali soprou as velas fazendo um pedido, ela pediu que tudo voltasse ao normal e que aquilo não tivesse passado de um sonho. Ela tentou se animar com os pais, mas não estava feliz, então apenas fingiu e agradeceu pelo bolo.

  Quando Ali já estava preparada para cortar uma fatia deliciosa do bolo de doce de leite e nozes, alguém bateu na porta da frente de sua casa. Ali foi atender, ao abrir a porta seu corpo se arrepiou com um fundo de alegria. Era John.

 - John? - Ali disse um pouco sem ar.

 - Oi pequena. - Ele respondeu com um sorriso de lado discreto.

 - Entra, esta nevando ai fora. - Ali disse o puxando para dentro.

  Ele entrou e olhou por toda sua volta, como se não visse o lugar a muito tempo, seu olho se encheu de lágrimas, o que deixou Ali um pouco assustada.

 - O que aconteceu? - Ali perguntou preocupada.

 - Nada, é que sua casa me faz lembrar minha irmã, acho que por isso não voltei mais aqui no ultimo ano. - John disse se referindo a Beth.

 - A gente precisa conversar sobre isso John, aconteceu algo muito estranho, nós ate te ligamos para ver se você poderia vir aqui hoje, ainda bem que apareceu. - Ali disse.

  John fez ma cara de que estava confuso, então percebeu que ainda não tinha dado os parabéns para Ali.

 - Nossa, como pude esquecer. - Ele disse dando um tapa em sua testa. - Parabéns Ali, senti saudade.

  Ela sorriu e lhe agradeceu lhe dando um abraço longo e que fez ela se acalmar.

 - John? - Carol gritou da cozinha. - Venha aqui querido. 

  Ele olhou para Ali e deu risada, e então foi para a cozinha cumprimentar a todos.

 - E ai garotão? - Sam disse bagunçando os cabelos de John. - Nós sentimos sua falta.  

 - Senti muito a falta de vocês também. - Respondeu sorrindo. - Nossa Ali, que bolo legal, acho que mereço um pedaço bem grande, ou melhor, vocês ficam com a camada de baixo e a de cima é minha.

  Todos gargalharam, inclusive Ali, que não tinha feito isso desde que acordou, ela ficou muito feliz de John estar ali com ela, mas sentiu muito a falta de Beth.

 - Acho que você tem que tirar o olho porque o bolo é meu mocinho. - Ali respondeu rindo.

 John riu também, então foi na direção da Victória fazendo posição de cocegas com os dedos, o que Vic amava quando pequena.

 - Eu sou o senhor garra, e vou pegar a Victória. - Ele disse fingindo que sua mão é quem estava dizendo aquilo.

  Saiu correndo atrás dela, até pega-la e jogar no sofá fazendo cocegas. 

 - Sentiu saudades de mim? - John perguntou para Vic.

 - Não! - Victoria respondeu gritando e dando risada. 

 - Não? - John fez cara de bravo para ela. - Como ousa falar assim como senhor garra? - disse e voltou a fazer cocegas nela, até que ela disse que sim.

 - Parem com a bagunça vocês dois, se não, não vou dar bolo para ninguém. - Ali disse fazendo chantagem. - Muito menos para o senhor garra. 

 - Tudo bem, você venceu. - John disse rindo.

  Passaram uma tarde divertida comendo bolo e rindo das piadas de John, fazendo Ali esquecer um pouco tudo que aconteceu. Mas era impossível não lembrar quando olhava para Vic ou John.

 - Acho que eu e o John temos que conversar.- Ali disse para os pais dela. - Vamos para meu quarto. - disse puxando ele.

 - okay filha, vamos estar aqui em baixo se precisar. - Respondeu Sam.

  Eles subiram para seu quarto e Ali fechou a porta. Sentou-se em sua cama e respirou fundo para saber como explicar para John oque estava acontecendo. John sentou ao lado de Ali na cama. 

 - Bom, eu não sei por onde começar a te explicar isso, mas vou tentar. - Ali começou. - Primeiro quero te pedir algo.Enquanto eu te explicar, quero que saiba que isso é muito sério, por tanto tente entender e sem brincadeiras. 

 - Tudo bem, estou ouvindo. - John respondeu apreensivo. 

  Ali deu exatamente a mesma explicação que deu para seus pais, dizendo tudo o que aconteceu, então complementou: 

 - Mas eu te juro, foi como se eu tivesse me teletransportado para o futuro. Sei que parece loucura, mas foi isso que aconteceu, então eu queria que me explicasse o que aconteceu desde aquele dia. 

  John ficou olhando para Ali, dava para ver que ele tava se esforçando para entender tudo o que ela tinha dito, mas quando ela acabou ele passou a mão na cabeça como se não tivesse entendido, na verdade absolutamente nada.

 - Meu Deus, que loucura. - Ele disse, e foi só o que falou durante alguns longos segundos. - Então esta me dizendo, que a ultima coisa que se lembra é do dia anterior que sofremos o acidente? Mas na verdade, é como se tivesse acontecido ontem? - John perguntou parecendo mais confuso que Ali.

 - Exatamente! - Ali afirmou. - Mas, como assim, "nós" sofremos acidente?

 - Tudo bem, vou explicar tudo que aconteceu desde aquele dia. - John disse coçando a testa. 

 - Certo, obrigada.

 - No dia depois de dormimos aqui, minha mãe ligou perguntando se nós três queríamos ir ao parque ver a neve, como fazíamos todos os anos. Então fomos, o parque foi super divertido, fizemos guerras de bola de neve, enfim, na volta já estava escurecendo e as pistas estavam congeladas, meu pai perdeu o controle e o carro acabou capotando. - John fez uma pausa para fazer uma pergunta. - Consegue se lembrar de algo disso tudo que contei?

 - Não, desculpa. - Ali respondeu.

 - Nossa. - John disse. - Então, continuando. O carro capotou e colidiu com uma arvore, bem na direção onde a Beth estava. Ela morreu na hora com a pancada, e nós desmaiados, fomos para o hospital e meus pais tiveram ferimentos leves, mas nós dois nos machucamos muito, o que me fez ficar internado até me recuperar e você entrou em coma, por uma semana. Não sei direito o que aconteceu para você ficar em coma, sei que bateu a cabeça muito forte apenas. Mas você melhorou rápido, e saiu do coma em uma semana. Depois que saímos do hospital, nunca mais nos vimos, eu mudei de escola e não vim mais para sua casa. Foi isso. - John terminou a história e enxugou as lágrimas, falar da irmã dele ainda era muito doloroso.

 - Como posso não me lembrar de nada disso? - Ali disse inconformada. - Posso ter  perdido essa parte da memória no acidente, mas e depois que sai do coma? - Ali perguntava a si mesma. - Por que não me lembro de nada?

 - Eu também não sei, mas vamos dar um jeito de concertar isso. - John disse sorrindo esperançoso.

  Eles desceram e ficaram na sala conversando sobre o que John tinha feito durante o ano, tomaram chocolate quente e assistiram filmes, e jogaram vídeo game. Tudo como era antes, exceto pela falta de Beth.

 - Você esta morando no mesmo lugar ainda? - Ali perguntou.

 - Não, nós nos mudamos para algumas quadras de distancia, minha mãe não queria cotado com nada que lembrasse a Beth. - John respondeu. - Acho melhor eu ir embora.

 - Já esta muito tarde, você não quer dormir aqui? - Ali questionou. - É perigoso andar sozinho na rua a essa hora.

 - Ali, tenho quinze anos, não sou mais uma criança. - John disse rindo.

  Ali havia se esquecido deste detalhe, agora ele já tinha quinze anos.

 - Mesmo assim, você é fraquinho, qualquer um pode te machucar na rua. - Ali mentiu brincando, ele estava forte e alto. - Não quero que você vá.

  John deu risada levantando do sofá e olhando para baixo onde estava Ali. Como sempre fazia para mostrar o quanto ele era maio do que ela. Ali apertou o olhar fazendo cara de brava e o encarando de perto. Depois não aguentou e deu risada.

 - Ta bom vai, não é mais tão fraco assim, mas é perigoso do mesmo jeito.

 - Tudo bem, já que quer tanto, eu fico. - John brincou.

  Eles foram se deitar, Ali já tinha se esquecido até de seu pedido de aniversário. Ficaram conversando por mais um tempo, e pouco antes de adormecer, Ali pegou a mão de John e disse:

 - Por favor, não vá embora dessa vez. Esteja aqui quando eu acordar. 

 - Eu não saio daqui por nada, prometo. - John respondeu dando um beijo na mão de Ali.

  Era para ser uma noite tranquila, mas Ali teve um sonho que mudou tudo. 


              Continua... 
- Maça.